mar

Corumbau é um daqueles lugares que o possível perrengue para chegar compensa. E compensa ainda mais se olhar a tábua de marés e já saber qual deverá ser o primeiro ponto de parada e se tiver como fugir da estrada e conhecer esse paraíso pelo mar. Ficou curioso? Que tal conferir o que fazer em Corumbau neste post?

Corumbau

Água Azul, Coqueiros Verdes e Sol. Eis Corumbau!

Como chegar a Corumbau?

Esse possivelmente será o primeiro questionamento após ver algumas fotos na internet sobre este destino. Localizado no Município de Prado, na Costa do Descobrimento e entre Cumuruxatiba e Caraíva, as estradas de acesso a este paraíso não são animadoras. De Cumuruxatiba, são cerca de 60km e de Caraíva, aproximadamente 120km, que podem ser percorridos em um período de 2 a 4 horas, de acordo com a condição do tempo. Embora com muitos buracos, é possível percorrer estas estradas de carro comum, sem tração nas quatro rodas. O que muda será o tempo para tal.

Existe também passeios de bugre que levam os turistas a Corumbau, intercalando com lanchas rápidas ou balsas. Estes são ótimas opções, mais rápidos e com todo o charme de poder ir curtindo o caminho. Além de algumas vezes, saírem também mais baratos.

catamara

Sobre outras formas de conhecer Corumbau

E talvez por isso, a nossa escolha foi o passeio de lancha rápida, saindo de Cumuruxatiba. Com uma antecedência de aproximadamente 2 meses, entramos em contato com o Cumuru Magical Tour (55 73 8815-0240) via WhattsApp e perguntamos sobre os passeios disponíveis para conhecer Corumbau. Foi me oferecido o passeio de lancha rápida, e todo o descritivo do mesmo. Porém, para efetuar o passeio seria necessário pelo menos 4 adultos (que não precisa necessariamente ser conhecidos).

Manu

A pequena devidamente aprontada para o passeio!

saindo de cumuru

Saída de Cumuru

Passeio agendado, agora era só esperar pelo dia. O passeio sai às 9 horas de Cumuruxatiba, retornando às 16 horas. Uma coisa boa de uma lancha privativa é que você poder fechar entre um grupo de amigos ou com a família. E uma das partes que mais me deixou feliz foi a personalização do passeio. Durante todo o percurso, Nilton (capitão que nos levou) foi super solicito, tirando dúvidas e explicando sobre o trecho.

Uma pausa nos recifes

Antes de saber o que fazer em Corumbau, é importante saber como chegará a este balneário. Caso escolha o deslocamento por lancha rápida, e se estiver saindo de Cumuruxatiba, é bom saber que neste passeio a navegação é bem costeira, podendo avistar o litoral e os paredões que se formam no litoral. Aí já vai somando este espetáculo de vista nos itens do que fazer.

alto mar

Saída de Cumuruxatiba para o Passeio por Corumbau

navegação a beira do litoral

Navegação próxima do litoral que o passeio nos ofereceu

Também por estamos de lancha, paramos nos recifes para fazer flutuação com snorkel. Ao pararmos para a flutuação, era só a nossa lancha nos recifes. Esse fato nos permitiu ver os peixes e fundo do mar com muita tranquilidade, sem afastar os animais. A maré estava baixa, permitindo que Manu se deslocasse com mais autonomia também. Um guia de espécies que podíamos avistar nos foi emprestado enquanto estávamos nos deslocando para os recifes. Depois, ao cair na água, a gente ficou buscando identificar o que já sabíamos que era possível de encontrar.

piscina

Piscina dos recifes na parte sem os corais – Corumbau/Cumuruxatiba – Prado/BA

mar piscina

Mais da piscina dos recifes – Corumbau/Cumuruxatiba – Prado/BA

fundo dos recifes

Sobre o fundo dos recifes e os peixes se disfarçando – Corumbau/Cumuruxatiba – Prado/BA

Manu flutuando

Criança brincando de ser peixinho também! Corumbau/Cumuruxatiba – Prado/BA

água de piscina

Sobre a transparência da água – Corumbau/Cumuruxatiba – Prado/BA

Antes que outro passeio maior (esse de Catamarã) chegasse, tínhamos aproveitado cerca de uma hora. Dali, partimos para Ponta de Corumbau.

Mesmo sem se deslocar para Corumbau é possível chegar aos recifes. Assim de chegamos no balneário, vi banhistas que ali estavam perguntando ao Nilton quanto seria para leva-los lá. Também tem um passeio saindo de Cumuruxatiba com este destino.

O que fazer em Corumbau

Chegamos em Corumbau por volta das 10:30. E com a maré subindo, a dica aqui é primeiro ir ver o pontal que é coberto pelas águas do mar e some com a subida da maré. Como a gente chegou com mesa e esteiras já reservadas (cortesia do passeio de lancha), a preocupação em buscar um lugar bacana a sombra não existia.

restaurante em corumbau

Os restaurantes pés na areai de Corumbau

pontal corumbau

Pontal de Corumbau – os restaurantes cedem lugar para as tendas e sombrinhas na curta faixa de praia

Mas mesmo com esse mimo, demos um certo mole. Primeiro fomos nos sentar, beber uma água e só depois é que fomos lá ver o pontal. Aí a maré, embora não estivesse no pico de cheia, já havia subido e tirado um pouco da beleza do pontal de areia entrando na água. Então fica a dica – antes até da água, chegue e vá logo avistar o pontal de Corumbau.

praia de corumbau

A praia de Corumbau com seus banhistas

corumbau

O mar de Corumbau – Prado/BA

Depois de ver os recifes, flutuar com os peixinhos dali, sentar numa mesa confortável e com sombra e ver o Pontal, a dica é aproveitar a praia. As areias de Corumbau são mais brancas que as de Cumuruxatiba. A transparência da água também encanta, mas aqui rapidamente fica fundo. Logo, olho nas crianças e nada de beber e ir nadar para além da praia.

mar

Sobre o azul de Corumbau – Prado/BA

Aproveite o tempo ali para relaxar. Cair na água. Sentar numa espreguiçadeira e ver o tempo passar. E se achar que está num dia de spa, pense que o mantra é curtir a praia de Corumbau.

A Praia do Cahy

Na volta fomos agraciados por poder entrar e parar na Praia do Cahy. A maré não estava mansa, mas o fato de nosso guia/capitão conhecer a região foi impar para que pudéssemos somar esta parte ao passeio.

Praia do Cahy

Entre paredões e coqueiros, a Praia do Cahy

estuário do cahy

Um banho pelo Estuário do Cahy – Cumuruxatiba – Prado/BA

as pontas do Cahy

De um lado, praia. Do outro, o estuário. Praia do Cahy – Prado/BA

Com a maré ainda alta, tomamos banho no estuário de mar, com águas num verde hipnotizante. A paisagem dessa praia é incrível, e ela assim do jeitinho que a gente pegou foi bom demais.

Manu

Manu no Estuário do Cahy – Prado/BA

É possível chegar ao Cahy também por terra, vindo de Cumuruxatiba. Ali não tem muita (ou alguma) infraestrutura, e por isso levar consigo as coisas para poder passar tranquilamente é uma das dicas que dou. No nosso caso, foi uma parada de 30 espetaculares minutos.

Dica de onde comer

Como já comentei acima, chegamos a Corumbau com uma mesa e espreguiçadeiras nos esperando. O restaurante era o Panela de Barro. No cardápio, opções de almoço que variavam de peixe frito com arroz e salada (R$95,00 – mar/19) a moqueca de peixe com camarão e polvo (R$160,00 – mar/19). Para petiscos, as opções variavam da batata frita (R$40,00 – mar/19) a polvo no vinagrete (R$110,00 – mar/19).

restaurantes

Sobre estar nas tendas olhando o mar e curtindo uma boa sombra em Corumbau

Nossa escolha foi pelo Peixe Frito com Arroz, Feijão e Salada, que saiu por R$95,00 (mar/19). O peixe era a sarda, mas varia de acordo com a época do ano. Para acompanhar, escolhemos suco de caju (R$15,00 a jarra com cerca de 500 ml), um drink (pitaya com limão e vodka, por R$20,00) e água (R$5,00 a garrafa com 500 ml).

restaurante

Sobre olhar o cardápio, ops, os peixinhos do mar! Restaurante Panela de Barro – Corumbau

A comida estava muito gostosa, feijão temperado com cebola e alho, do jeitinho que a pequena gosta. Confesso ter achado estranho não vir farofa e nem vinagrete para acompanhar, pois esse é um costume no Espírito Santo/ Grande Vitória. A foto, ainda tô aprendendo a tira-la antes de comer, então perdão!♥

Para pagar, tivemos que ir até o “restaurante” que não fica na beira da praia, como suas mesas. Isso se deve ao fato que para passar cartão, a máquina fica fixa, pois o acesso a internet é frágil nesta região. Aproveitamos e incrementamos uma cocada baiana de sobremesa (R$5,00 – mar/19), que por sinal, estava maravilhosa.

Vale um bate-volta a Corumbau?

Não somos os maiores fãs de bate-volta, pois geralmente gostamos de ‘morar’ no destino. Mas confesso que para Corumbau, um bate-volta foi suficiente para aproveitar as belezas do lugar, comer uma boa comida e ainda somar passeios que estando lá gostaria de fazer.

Mas o que mais ajudou a gente a gostar tanto do bate-volta foram as comodidades envolvidas. Fazer o deslocamento de forma rápida (seriam cerca de 40 minutos se não parássemos na ida e volta) e ainda avistando o litoral, chegar com mesa reservada e sabendo já o que fazer fez tudo caber de forma exata no dia.

Então não só indico, mas como quero fazer outro, numa outra oportunidade que estiver pela região. E se possível, casando as mesmas atividades e indo logo ver o pontal!

Informações adicionais sobre o passeio para Corumbau

Além de checar a tábua de mares para fazer com que o passeio com lancha seja muito bom, alguns outros itens devem ser observados, como os valores envolvidos. Para saber o que gastamos em Março de 2019, em plena segunda de carnaval:

» Passeio de lancha: R$180,00 (cento e oitenta reais) por adulto e R$90,00 (noventa reais) para a Manu (criança de 5 anos). O pagamento foi 50% na reserva e o restante no dia;

» Almoço no Restaurante Panela de Barro: R$148,50 (cento e quarenta e oito reais e cinquenta centavos) + 5 reais da cocada.

Levamos conosco um cooler com cerveja gelada. Mas no restaurante também vendia cerveja, por R$15,00 uma garrafa de 600 ml de Heineken.

Levamos também nossas máscaras e snorkels, mas na lancha havia disponível para quem ali estivesse. Também havia na lancha macarrão e coletes para quem assim se sentisse mais confortável.

Indico fortemente ir de blusa com proteção solar para a parte da flutuação, além de levar chapéu/boné e muito protetor solar para esse passeio. Além, claro, de levar água e consumir sem qualquer restrição.

amor

Um recadinho aos leitores do blog! Corumbau/Cumuruxatiba – Prado/BA

 

Compartilhe: