Praia do Forte

A Praia do Forte é um daqueles destinos associados a Salvador, mesmo não sendo na capital baiana. Pertencente ao município de Mata de São João, o balneário atrai pelas belas praias, pela preservação representada no Tamar, pelos resorts e também pelo clima gostoso que tem. Bom né? tanto que muita gente nem sequer em Salvador fica, e já parte direto para lá. Por aqui, fizemos um bate e volta, e contamos um pouquinho nesse post.

Praia do Forte

A Praia do Porto – na Praia do Forte

Praia do Forte – O que Esperar

Chegando na praia do Forte as lembranças de outro balneário me vieram a cabeça – a de Búzios. Tá, se você conhece os dois lugares vai dizer que são bem diferente, mas o clima de lojas com restaurantes, árvores frondosas e praia gostosa tem em ambos, e foi essa a pegada que capitei.

Praia do Forte

Das ruas na Praia do Forte

Praia do Forte

Centro de Artesanato da Praia do Forte

De cara já digo para olhar a tábua de mares. Sim, ela será uma alidada para aproveitar as piscininhas nesta praia. Nesse link é possível olhar a informação que nos interessa: a que a maré estará baixa. Então já marca que um pouco antes desse horário é o que você deve chegar na praia. Sim, às vezes é cedo – e isso envolve sair cedo de Salvador, para quem estiver (que nem a gente) de bate-volta. No final da tarde geralmente a maré também fica baixa, mas aí o sol pode já estar indo – e a experiência não é tão bacana.

Mas nem só de praia se vive ali. Suas ruas são um convite para passear, com lojinhas de artesanato, de vestuário, restaurantes e bares. Ainda tem a Igreja de São Francisco, localizada em frente a praia do Porto. A Igreja foi construída em 1900, pelos pescadores e comunidade local, em estilo colonial.

Praia do Forte

Igreja de São Francisco, Praia do Forte

Não deixe de ir ao Projeto Tamar – e pode separar ao menos uma hora para aproveitar o lugar. Ali foi um dos lugares que Manu mais curtiu da Praia do Forte, tamanha a infraestrutura e variedades de animais marinho ali. A entrada custou R$28,00 a inteira, com direito a meia entrada para estudantes.

Praia do Forte

Projeto Tamar – Praia do Forte

Como chegar

Saindo de Salvador, chegar na Praia do Forte é tranquilo. Entretanto, é importante considerar que dependendo de onde seja o seu ponto de saída, enfrentarás o trânsito soteropolitano. Em suma, pegará a BA-099. São cerca de 80 km com asfalto em boas condições, mas isso tem um preço – o pedágio, no valor de R$7,00 (carro pequeno – janeiro/2020).

Chegando na Praia do Forte, verás que estacionar não é tão fácil – caso queira parar o carro bem próximo a praia. Mas é possível parar umas quadras de distâncias – na sombra e não disputar tanto com os demais. Essa foi nossa opção – paramos na rua principal, mas de forma que andando poucas quadras já estávamos no centrinho. E de quebra, já segue conhecendo o balneário.

Praia do Forte

Sobre as ruelas da Praia do Forte

Onde Comer

Assim que colocamos o guarda sol na areia, bem na Praia do Porto, veio um moço nos oferecer acarajé. Não estamos acostumados em comer acarajé na areia da praia, mas como tudo tem uma primeira vez, optamos com agendar uma porção de pequenos acarajés para o horário do almoço e estender o tempo de praia. Assim, jogamos o almoço para o meio da tarde. Pena só não ter  anotado o nome da cabana! Mas foi R$20,00 (vinte reais – janeiro/2020) uma porção com 6 mini-acarajés.

Depois, almoçamos no Pizza di Roma. Optamos por uma parmegiana, acompanhada por batatas rusticas e arroz (R$54,00 em janeiro de 2020). Como fomos almoçar tarde, demos preferência a pratos a la carte e restaurantes que tinham banheiro limpo para a gente usar.

Praia do Forte

Parmegiana do Pizza di Roma Restaurante

Nossa Experiência na Praia do Forte

Queria aqui falar que curtimos tudo na praia do Forte, mas nem dá. Curtimos o possível, pois cometemos uma série de pequenos equívocos – de quem não planeja tão bem o destino junto com o fato de esquecer que janeiro em férias também tem trânsito. E bem vou contar aqui, par que não façam as mesmas coisas – e não fiquem morrendo de vontade de voltar o quanto antes.

1. Saímos tarde de Salvador. A gente acordou e quis aproveitar o café da manhã no hotel. Aí já viu né? Até que sai de Salvador mesmo, já era mais de 10 horas. Pegamos um pouco de trânsito até chegar na BA-099;

2. Chegamos na Praia do Forte por volta de 11h30. A maré já tava subindo, perto da maré alta. Assim, a gente até conseguiu chegar no lugar das piscininhas, mas com a maré subindo estava perigoso permanecer na água – e se cortar nas pedras;

3. O dia estava nublado. Bem nublado – as fotos acima não mentem. Mas mesmo assim, a gente entrou na água e curtiu ela quentinha e gostosa. Mas quase ninguém curte praia nublada né?

4. Esquecemos de levar uma garrada com água de torneira, para quando entrar no carro para voltar para Salvador, lavar os pés e dar uma guaribada no corpo. E acabou que também nem vimos nenhum chuveiro público para tirar o sal também;

5. Fizemos um bate e volta. Sim, eu queria mesmo, depois de conhecer a Praia do Forte, ter passado ao menos uma noite lá. E acordar lá, indo já cedo para a praia;

6. Não deu tempo da gente conhecer o Castelo Garcia D’Ávila – devido ao horário que chegamos.

 

Agora, já deu para entender a vontade de voltar né? A ideia é poder aproveitar a praia do forte inteira, com dias de sol e podendo curtir a maré baixa!

Compartilhe: