Vitória é uma das capitais mais antigas do Brasil, sendo formada por uma parte continental e algumas outras ilhas – como a que abriga boa parte do seu território. Devido a sua formação geológica e proximidade do mar, é possível ver em Vitória uma infinidade de paisagens encantadoras, que por sua vez somam com seu patrimônio histórico.
Com o intuito de apresentar um pouco desta distinta capital brasileira, foram elaborados 3 postagens com dicas de passeios que incluíam uma breve apresentação dos Patrimônios Históricos de Vitória, seus Parques Urbanos e também aqueles passeios que fazem qualquer um suspirar mais fundo. 
Neste post a ideia é apresentar um roteiro de dois dias pela capital capixaba, com aquilo que é legal conhecer para entender um pouco do povo capixaba, suas origens e cultura.
Vista para a Terceira Ponte atrás do Shopping Vitória

Para este roteiro é aconselhável o uso de sapato confortável e sem salto para os dois dias e desaconselhamos o uso de automóvel – aqui o foco é usar o transporte coletivo, bike ou taxi/aplicativos para se deslocar por Vitória. 

Após aquele café da manhã (do hotel ou do aeroporto/rodoviária), hora de começar o roteiro ‘histórico’, conhecendo um pouco melhor o centro de Vitória. E a dica aqui é logo pela manhã explorar um pouco o Sesc Glória. Inaugurado em 1932, a edificação que abriga o Sesc Glória sofreu por reforma e sua arquitetura eclética se manteve na fachada, enquanto seu interior foi modernizado. Além de exposições temporárias, o Sesc também abriga um cinema, teatro e biblioteca – o que faz uma volta pelas atrações durar de 30 a 90 min (ou mais). 

Sesc Gloria – Esperiência Escher
O Centro Cultural Sesc Glória está localizado na Av. Jerônimo Monteiro, n428, Centro, e abre de terça a domingo, de 10 às 19 horas. Na página do Facebook dá para acompanhar a programação mensal do local – e escolher o que curtir.

Depois do Sesc, hora de andar um pouco pelo centro de Vitória, seguindo a Av. Jerônimo Monteiro até a escadaria que dá acesso ao Palácio Anchieta – aqui são cerca de 500 metros. Aproveite o percurso para ver os prédios que ainda tem a fachada histórica preservada.

Suba as escadas e aproveite para apreciar o porto de Vitória. Chegando no Palácio até às 11 horas, é possível participar da visita guiada pela parte interna do Palácio e também no gabinete do governador (caso vá no final de semana). Caso tenha alguma exposição temporária no Palácio Anchieta, aproveite – geralmente tem ótimas exposições por lá. Os monitores do Palácio são grandes conhecedores tanto da história do Palácio quanto do centro de Vitória – não deixem a chance de uma boa conversar passar!

Palácio Anchieta – Escadaria e fachada
Túmulo em homenagem ao Padre José de Achieta
Salão Verde – Palácio Achieta

Considerando que a visita ao Palácio acabou por perto das 13 horas, hora de ir em direção a Catedral e aproveitar para apreciar os vitrais – e para agradecer por esta belezura, inspirada na Catedral de Colônia (na Alemanha). Como a fome deve estar apertando, hora de descer um pouco pela Rua Gama Rosa e parar no Doca 138 ou na Casa de Bamba para almoçar. Indico aqui verificar se não tá rolando samba e/ou feijoada na Casa de Bamba – e curtir um pós almoço também. Outra coisa boa para fazer por ali é ir até a Rua Sete e verificar se não está acontecendo nada – geralmente tem um bom samba raiz perto da Casa da Stael. 

Catedral Metropolitana de Vitória

 

Manhã de sabádo com contação de história em frente a Casa da Stael

Para finalizar o primeiro dia sem sair do circuito histórico, a dica é conhecer o Museu Solar de Monjardim, em Jucutuquara. Para chegar ao Museu, é possível tanto ir com o auxilio de um aplicativo quanto de ônibus. Caso opte em usar o ônibus, terá que andar até a beira-mar e pegar um ônibus que passe pela Avenida Maruípe (dos ônibus de Vitória, são os de numeração 161, 162 e 163) – aí é bom pedir ao cobrador para informar no ponto. 
O Museu Solar de Monjardim foi o primeiro patrimônio nacional a ser tombado no Espírito Santo. A edificação é referência da arquitetura colonial brasileira, e era antes utilizada como sede da fazenda de sal. A visita é guiada e leva em torno de 30 min, onde a história da casa e também da modernização de Vitória é contada. O Museu abre de terça a sexta, das 9 às 16h30 e nos finais de semana e feriados das 13 às 17 horas.

Museu Solar de Monjardim

 

Um pouco da tradição colonial no Museu Solar de Morjardim

Depois de visitar o Museu, a dica é retornar ao hotel e descansar um pouquinho. Depois, curtir algum restaurante por perto. Caso esteja hospedado nas proximidades da Praia do Canto, a dica é ir ao Triângulo das Bermudas e aproveitar a noite. Já se estiver em Jardim da Penha, próximo a praia de Camburi, também há ótimas opções de restaurantes da Avenida Anísio Fernandes Coelho. Mais dicas você encontra no Blog da Aline Approves e também no Guia Capixaba

Para o segundo dia na capital capixaba, hora de apreciar as belezas naturais desta ilha. Nos domingos de manhã, parte da avenida que beira a praia tem uma pista aberta para a prática de esportes – e aí a sugestão é alugar uma bike e percorrer a praia de Camburi até a Praça do Papa. No trajeto, pare no Pier de Iemanjá, na Praça dos Namorados, na Praça da Ciência e lembre-se de passar por trás do Shopping Vitória e embaixo da Ponte – aprecie a vista destes lugares e também pare para tomar uma água de coco. Caso não seja domingo, dá para percorrer este percurso pela ciclovia, e a bike é possível alugar pelo Bike Vitória.

Entregue a bike no posto da Praça do Papa e vá conhecer o Centro de Visitantes Tamar Vitória. Além de conhecer todo o histórico sobre as tartarugas marinhas e as espécies que ocorrem pela costa brasileira, é possível ver as tartarugas de perto pelos tanques. Embora encantadoras, não se limite as tartarugas. Aproveite o Mirante e aprecie a Baía de Vitória. Antes de sair do Tamar, tente passar pela loja do projeto e resistir (ou não) as tentações por lá! O Tamar fica aberto de terça a domingo, das 8h30 às 17 horas, e em março deste ano a entrada inteira custava R$14,00.

Cruz do Papa – e sua respectiva Praça (ao fundo, o Convento da Penha)

 

Projeto Tamar Vitória

 

Apreciando o nadar das tartarugas no Tamar Vitória

 

Vista do Mirante no Tamar Vitória

Depois de curtir o Tamar, hora de almoçar – e a dica aqui é o Horto. Como é praticamente ao lado do Tamar, dá para ir andando. Aproveite para almoçar uma bela moqueca capixaba ou então experimentar a deliciosa comida do restaurante Sol da Terra. Caso queira, também é possível almoçar no Restaurante Papaguth apreciando a vista da Baía de Vitória e depois ir ao Horto tomar um café na Carnielli. A dica aqui é só não deixar de passar na loja Artesanato Capixaba.

Aquele café coado que a gente respeita – Carnielli Cafeteria do Horto Mercado

Após o almoço/café, a tarde será dedicada a conhecer o Parque Botânico Vale. Localizado no final do bairro Jardim Camburi, o Parque conta com pequenas trilhas pelo fragmento de Mata Atlântica que existe no entorno, orquidário, área para crianças, fonte dos desejos e uma lagoa com jacarés do papo amarelo. Ainda é possível visitar o complexo industrial da Vale, caso interesse. Mas se desejar visitar outro parque municipal de Vitória, tem post no blog listando alguns.

Fonte dos Desejos – Parque Botânico Vale
Lagoa Jacaré do Papo Amarelo – Parque Botânico Vale
Redário – Parque Botânico Vale

E assim acaba nosso roteiro de dois dias pela ilha de Vitória. Aqui incluímos cultura, gastronomia e um pouco de atrações ao ar livre. Este percurso é possível de ser feito com crianças – mas aí a parte de pedalar de Camburi até a Praça do Papa deverá ser encurtada para o pequeno conseguir fazer tranquilo (aqui em casa, Manu pedala no máximo 2 quilômetros sem reclamar).

Caso queira mais dicas e sugestões, só deixar nos comentários!

Compartilhe: